reparo manguito dupla fileira.jpg

A decisão sobre o tratamento da lesão do manguito rotador muitas vezes é difícil. É comum que existam dúvidas sobre a indicação do tratamento conservador ou tratamento cirúrgico. As preocupações mais frequentes envolvem: 

  • Possibilidade de piora da lesão, caso não seja operada

  • Riscos da cirurgia e chances de melhora  

  • Tempo de recuperação

  • Tipo de reabilitação mais efetivo

De forma geral, podemos dizer que, na maioria dos casos, não existe uma decisão unicamente correta. Todos os fatores do paciente devem ser levados em consideração (idade, nível de dor, tempo de lesão, entre outros). Muitas vezes pode ser tentado o tratamento não cirúrgico inicialmente e observar a evolução. Porém, em algumas situações a cirurgia é a melhor opção já na primeira avaliação. Abaixo avaliamos alguns fatores para a tomada de decisão.  

A ruptura vai piorar se não for operada?

Este é um tema bastante discutido na especialidade do ombro. Diversos estudos científicos avaliaram a evolução natural de uma lesão não operada. O principal achado é que as lesões maiorescom maior afastamento entre o tendão e o osso, progridem mais rápido. Já as lesões menores que 1,5 a 2,0 cm podem ficar estáveis durante anos, mantendo o ombro funcional e sem dor, mesmo existindo a lesão. Quando o tratamento conservador é escolhido, é importante que se mantenha um acompanhamento clínico. Sinais de piora da dor e função do ombro podem ser indicativos de uma piora da lesão. 

Quais são as chances de melhora com a cirurgia?

A cirurgia de reparo do manguito rotador leva a melhora das queixas dos pacientes na maioria dos casos. Rupturas reparáveis mostram melhora da dor e recuperação da força do ombro no médio e longo prazo. A taxa de melhora gira em torno de 90% na maioria dos estudos científicos. As características da lesão e do paciente influenciam. Lesões pequenas e médias e pacientes com boa condição clínica e física são fatores favoráveis para a cirurgia

Quais os riscos da cirurgia?

Os riscos da cirurgia do manguito costumam ser baixos. A cirugia é considerada um procedimento de porte médio, geralmente realizado com anestesia geral, com taxas muito baixas de complicações anestésicas. Quanto aos resultados, uma possível complicação é a falha de cicatrização do tendão ou nova ruptura após a cirugia. A taxa desse tipo de complicação também é baixa, em torno de 10%, e costumam corresponder aos pacientes que mantêm dor a longo prazo após a cirurgia. Nas primeiras semanas após a cirugia, é comum existir dor, mas a evolução normal é uma melhora gradual da dor

É possível melhorar com o tratamento conservador, sem cirurgia?

Sim, é possível. Muitos pacientes com ruptura do manguito rotador possuem função normal do ombro, sem dor. A evolução é muito variável e não depende unicamente da característica da lesão. Pacientes com rupturas parciais (que não acometem toda a espessura do tendão) podem apresentar dor intensa, enquanto pacientes com lesão maiores podem apresentar poucos sintomas. O principal critério para acompanhar o tratamento conservador deve ser a melhora do quadro clínico (melhora da dor e boa função do ombro).

 

Qual é o tempo de recuperação dos diferentes tipos de tratamento?

No tratamento não cirúrgico, inicialmente devemos diminuir a reação inflamatória no tendão e controlar a bursite, o que costuma durar 2 a 3 semanas. Após esse período, começa a fase de ativação da musculatura e reequilíbrio muscular de forma leve e gradual, sem causar retorno da inflamação. Isto pode demorar semanas a meses. Uma boa condução com um fisioterapeuta é muito importante nesta fase.

Com o tratamento cirúrgico, é recomendado o uso de tipóia por 4 a 6 semanas após a cirurgia. A reabilitação com fisioterapia é iniciada entre 2 e 3 semanas após a cirurgia. Geralmente, o paciente consegue realizar atividades funcionais leves com o braço operado nesta fase e progressivamente aumenta o grau das atividades. O tempo de duração da fisioterapia é muito variável, podendo ser de 2 ou 3 meses até próximo de 1 ano, dependendo da resposta do paciente, tipo de lesão e cicatrização do tendão. 

A dúvida sobre a escolha do tratamento do manguito rotador é muito comum. É essencial um bom diagnóstico e uma avaliação clínica completa para escolha da melhor alternativa. Em caso de dúvida, informe-se e procure opiniões de especialistas que você confie.

 

Autor: Fernando Brandão. Publicado em 19/05/2020.