Bursite do ombro e lesão do manguito rotador


A dor no ombro é um sintoma muito comum na prática ortopédica. Diferentemente de articulações como o joelho e o quadril, o ombro apresenta um suporte ósseo insuficiente, dependendo exclusivamente de ligamentos e tendões para sua estabilidade. Ao mesmo tempo, é a articulação mais móvel do corpo humano, exigindo ativação constante de seus músculos e tendões.


Podemos dividir as dores do ombro em dois grandes grupos: as dores de origem muscular, que acometem principalmente a região posterior, mais frequentemente o músculo trapézio e os estabilizadores da escápula; e as dores articulares, que geralmente aparecem na parte anterior e lateral do ombro, desencadeadas por alterações da cartilagem, ligamentos ou tendões.


Local frequente de dor relacionada à bursite do ombro

As alterações do manguito rotador são a causa mais frequente das dores articulares do ombro. Manguito rotador é o nome que se dá a um conjunto de quatro tendões que envolvem a cabeça do úmero. Podemos dizer que o manguito funciona como uma capa que traciona a cabeça do úmero, realizando os movimentos de elevação e rotação do ombro.


Além disso, tem a função de estabilizar a cabeça do úmero para que outros músculos mais potentes, como o deltóide e o peitoral, façam sua função.


Bursite é o nome que se dá à inflamação da bursa, ou bolsa, que é uma película que recobre o manguito rotador, diminuindo o atrito sob o túnel ósseo por onde os tendões deslizam. Diferentes situações, como movimentos repetitivos de elevação do ombro, sobrecarga articular, tendinites ou rupturas do manguito causam atrito da bursa sob o túnel ósseo, levando à inflamação.


A bursite, em geral, é consequência das disfunções do manguito e não o fator inicial do quadro de dor. As tendinites e rupturas do manguito estão relacionadas a fatores biológicos, como uma menor vascularização do tendão, e fatores mecânicos, como o estreitamento do túnel ósseo de deslizamento do tendão. Além disso, fatores extrínsecos, como traumas de repetição por esforços repetitivos, lesões esportivas e traumas de maior energia, geralmente estão envolvidos.


O tratamento da tendinites do manguito rotador e bursite é realizado de acordo com o estágio da lesão. Em fases agudas, com maior reação inflamatória, o uso de antiinflamatórios e a diminuição de esforços físicos é indicado. Nessa fase, a infiltração com anestésico e corticóide é uma alternativa para regressão dos sintomas. Em estágios menos agudos ou crônicos, o tratamento é focado em reabilitação do ombro, com reforço muscular, estabilização escapular e progressão para treinamento funcional, de acordo com a progressão da reabilitação.

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social
  • Instagram
logo oficial letra branca.png

CONTATO:

WhatsApp: 011 99778-6600

CARE CLUB - IBIRAPUERA

Av. Brigadeiro Luís Antonio, 4615

Jardim Paulista, São Paulo - SP

Tel: 011 3050-5570

IOT - HCFMUSP

Rua Dr. Ovídio Pires de Campos, 333, 1o andar

Cerqueira César, São Paulo - SP

Tel: 011 3145-4050

©2019 Dr Fernando Brandão.

Todos os direitos reservados.